AGENTES DE ENDEMIAS RECEBEM NOVO KIT DE TRABALHO

230 trabalhadores do combate ao Aedes receberam uniforme e material de trabalho

Na tarde desta quarta-feira (08) os agentes de endemias da Funasa e do Programa 10 Minutos Salvam Vidas receberam novos kits para reforçar as atividades do combate ao Aedes aegypti, mosquito transmissor da dengue, febre amarela, zika e chikugunha.

Ao todo são 230 agentes de endemias em atividade e cada um está recebendo o kit de uniforme com 3 camisas, 2 calças, 1 colete, 1 boné, 1 par de botas e uma bolsa contendo material de eliminação, inspeção e localização. Para a agente de Endemias, Heloine Gomes, atua na visitação das casas há cerca de 13 anos e ressaltou que “esse kit de uniforme e material de trabalho, é de grande importância para melhoria do nosso trabalho”.

“Equipar nossos agentes é uma iniciativa para a segurança dos funcionários e também dos nossos cidadãos. Eles precisavam renovar seus equipamentos de trabalho para manter os bons resultados. Afinal temos um baixo índice da doença no município, e também para nossos cidadãos, que  a garantia de conferir através de um uniforme exclusivo, que aquele é um agente de Endemias e receber a abordagem domiciliar com segurança”, destaca a secretária de Saúde, Carine Tavares.

Prevenção à dengue não pode parar

Segundo o coordenador de Controle de Vetores, Eusébio Lage, “os agentes de endemias têm um papel importante no controle do Aedes aegypti. São uma média de  4.500 visitas domiciliares em mais 160 mil imóveis, englobando também cemitérios, borracharias, depósitos de sucatas, terrenos baldios e comércios nos seis distritos do de Magé. Esse trabalho resultou no baixo índice com 0,7% para infestação por Aedes, no ultimo LIRAa, o Levantamento Rápido de Índices de Infestação, o que significa que o número está abaixo do mínimo que é considerado risco para as doenças transmitidas por esse vetor”.

O coordenador também reforça que depois da retomada das atividades em maio deste ano, as visitas devem seguir a normas de cuidados preventivos da pandemia, orientados pela Nota Técnica nº 08/2020 do Ministério da Saúde, onde recomenda o acesso do agente nas visitas somente no peridomicílio (região da frente, lados e fundo do quintal ou terreno), sem entrar interior das casas. Os agentes só podem entrar nos quintais com autorização de moradores maiores de 18 anos, e no caso dos maiores de 60 anos, a abordagem é feita nos portões com pelo menos 2 metros de distância.

Magé é um dos municípios da Região Metropolitana I onde a atuação dos agentes de endemias é exclusivo no combate ao Aedes. Em outras regiões e estados esse trabalho é realizado por outros profissionais e em múltiplas funções.

Texto: Philipe Campos

DEIXE UMA RESPOSTA